Caravana “Do Amor Nordestino” à CIFRATER

Home/Caravana “Do Amor Nordestino” à CIFRATER

A nossa Caravana é composta por Fraternistas da Região Nordeste – 6ª e 10ª Regiões Fraternas,
sua
 periodicidade é Anual, sempre no mês de Maio.

 

A ORIGEM DA CARAVANA

Em um encontro regional fraterno realizado na cidade de Olinda, Avelar manifestou o desejo, perante ao grupo, de visitar periodicamente a Cidade da Fraternidade, desenvolvendo algum tipo de prestação de serviço à comunidade. E arrematou: “eu vou, quem quiser que me acompanhe”.

Precisava AGIR…FAZER ALGO EM PROL do nosso Núcleo.

Essa tomada de decisão mexeu com os brios dos fraternistas presentes. E foi assim que em agosto de 2012 foi formada a primeira caravana do nordeste denominada de “Amigos das Alagoas na CIFRATER” formada por: Avelar, Janete, Geraldo, Marcelo e Maria Sorefls; naturalmente, todos de Alagoas. Porém juntaram-se a esse grupo os companheiros de Aracaju: Silvan, Valmir Lourenço, Kátia e mais quatro caravaneiros sergipanos totalizando 12 desbravadores do nordeste na CIFRATER.

Com a integração desses companheiros de Sergipe e o desejo de outros fraternistas da Bahia, Pernambuco e Piauí, a caravana passou a ser denominada, já no ano seguinte, de “Caravana do Amor Nordestino” atendendo a sugestão dos moradores da CIFRATER.

OBJETIVOS DA “CARAVANA DO AMOR NORDESTINO”

  1. Oportunizar aos fraternistas conhecer nosso “Núcleo Assistencial”, levando suas vibrações e cota de trabalho, a fim de contribuir na sua edificação efetiva em terras do Brasil, Coração do Mundo e Pátria do Evangelho;
  2. Aproximar os fraternistas, bem como os Grupos da Fraternidade Espírita da Cidade da Fraternidade;
  3. Fortalecer o Movimento da Fraternidade, oferecendo aos fraternistas a oportunidade de vivenciar o cotidiano da sua obra maior – a CIFRATER;
  4. Intercambiar através dos Grupos da Fraternidade Espírita ações efetivas no formato de “ajudar fazendo”; respeitando as especificidades da Cidade da Fraternidade.

HISTÓRIA DAS “CARAVANA DO AMOR NORDESTINO”

A primeira Caravana do Nordeste, em agosto de 2012, marcou indelevelmente nossos corações. Nos ensinou bastante, dando-nos combustível para desenvolvermos tarefas muitas em nossos grupos de origem.

Nos dois primeiros anos as atividades foram desenvolvidas ao longo de 15 dias, sempre flexibilizando a participação dos fraternistas; o período de estadia de cada companheiro dependia da sua disponibilidade e incluído na quinzena pré-estabelecida.

No ano de 2013 tivemos uma maior adesão de caravaneiros no total de 17, advindos dos seguintes Grupos da Fraternidade:

– 05 do GFE André Luiz de Santana do Ipanema (AL)

–  02 do GFE Irmão Cícero de Palmeira dos Índios (AL)

– 05 do GFE Guillon/Domênico de Olinda (PE)

– 04 do GFE Bittencourt Sampaio de Aracaju (SE)

–  01 do GFE Ângelo Francisco de Floriano (PI).

O desempenho dos caravaneiros neste segundo ano foi muito produtivo em todas as áreas, com destaque no atendimento médico, odontológico, fisioterapia/acupuntura, psicólogo, recreação com as crianças do jardim de infância, curso de artesanato, preparação da multimistura, palestras para os alunos do Educandário Humberto de Campos –  EHC, visitas às famílias do Assentamento Sílvio Rodrigues, visitas aos lares dos comunitários, participação das Reuniões Doutrinárias no GFE Irmã Veneranda com os expositores: Rosaly Matos (Olinda PE) na primeira semana e Avelar Alécio (Santana do Ipanema – AL) na segunda semana, além da instalação da Rádio da Caravana para funcionar durante toda nossa estadia, fazendo entrevistas com alguns alunos do EHC e levando ao ar músicas e mensagens educativas sobre Prevenção em Saúde.

A partir de 2014 o tempo de permanência da Caravana do Amor Nordestino na Cifrater foi reduzido para oito dias, motivado pelos compromissos particulares de cada integrante.

Mesmo com o espaço de tempo reduzido e com uma quantidade de caravaneiros um pouco menor, as atividades não sofreram solução de continuidade e a exemplo dos anos anteriores foram desenvolvidas ações abrangendo um amplo leque nas áreas da educação, saúde, lazer, agricultura, culinária, artesanato, corte-costura, doutrinária, etc.

Em 2015 – “ANO IV” das nossas atividades na CIFRATER, a primeira parte da Caravana chegou na tarde do domingo, dia 24 de maio, constituída dos irmãos alagoanos Avelar (GFE André Luiz), Janete, Geraldo, Germana e Gabriela (GFE Irmão Cícero).

A outra parte da Caravana, constituída dos sergipanos Valmir Lourenço e Silvan, ambos do GFE Bittencourt Sampaio, chegou na tarde do dia seguinte.

Diariamente, às 06:00 horas, parte da caravana (Janete, Geraldo, Germana e Gabriela) participava da produção do café da manhã dos alunos do EHC enquanto os demais: Lourenço, Avelar e Silvan promoviam uma reunião de vibração no GFE Irmã Veneranda. No decorrer do dia Lourenço e Silvan percorriam o Assentamento Silvio Rodrigues fazendo visitas às famílias assentadas; Avelar dava continuidade aos atendimentos médicos; também foram realizadas atividades de recreação e distribuição de Kits com alunos da Creche, Jardim I e II.

O restante do dia era preenchido com atividades diversas na comunidade. Todos os dias às 18:00 horas era realizado o Culto do Evangelho no Lar na hospedaria.

Um dos nossos objetivos na CIFRATER, desde o primeiro ano de atividades – 2012 – foi o de estreitar laços com os comunitários e os assentados, através das Visitas Fraternas.

Nessas visitas, nos apresentamos, quando no assentamento dizemos que integramos o Movimento da Fraternidade e que estamos em visita ao nosso Núcleo Pioneiro, a Cidade da Fraternidade.

Outra atividade que vem se tornando de fundamental importância são as visitas aos lares dos comunitários; nas quais adotamos a estratégia de ouvir, opinar sem interferir na hierarquia da Cidade.

Fruto dessas visitas aos comunitários, nosso grupo, utilizando uma metodologia de trabalho chamada “árvore problema”, elencou a Falta de Integração como problema macro a ser trabalhado no momento.

Durante minha(Avelar) estadia na CIFRATER, criei um hábito de, após o desjejum, dirigir-me ao GFE Irmã Veneranda e à entrada, junto à fonte, sentar-me e mergulhar em meu íntimo aproveitando a brisa saudável, o silêncio acolhedor, para uma Reflexão de início do dia.

À medida que ia me desprendendo das ocupações mundanas e me integrando à psicosfera do ambiente ia sentindo aquele Dínamo de Amor irradiar vibrações amorosas e salutares fortalecendo-me física e espiritualmente.

Aconteceu comigo o exemplo do frasco de perfume: “de tanto receber perfume, acaba perfumado”.