Coordenação de Infância à Juventude

Home/Coordenação de Infância à Juventude

infancia_juventude_logo_cijA Coordenação da Infância à Juventude visa apoiar os trabalhos de Evangelização Infantil, Pré-mocidade e Mocidade realizados pelos Grupos de Fraternidade Espírita nas várias regiões fraternas.

Este trabalho deve ser realizado com o apoio dos Representantes da Infância, Adolescência e Juventude de cada região.

Em linhas gerais, sua responsabilidade é coordenar os trabalhos de mocidade, pré-mocidade e infância realizados em nível nacional no MOFRA, além de orientar e auxiliar os trabalhos regionais deste mesmo público-alvo.

Saiba Mais

Durante a XII Semana da Fraternidade, realizada em julho de 1988 em Belo Horizonte, surgiu a idéia da realização de um encontro nacional que reunisse os jovens do Movimento da Fraternidade. Esta idéia, que partiu dos presentes ao encontro, foi trabalhada pela Coordenação de Educação Espírita – CAE/EDU e teve como conseqüência a posterior implementação da Coordenação de Mocidades Espíritas – EDU/CME.

Em 1989 a Coordenação de Educação Espírita montou um encontro na Cidade da Fraternidade que tinha por objetivos o auxilio à Mocidade Rayto do Sol, do GFE “Irmã Veneranda” e congregar, neste encontro, um representante de mocidade de cada Região Fraterna (RF), contando para isto com a ajuda dos Coordenadores Regionais. Todavia, neste encontro somente estiveram presentes representantes da II e IV RF.

Nos meses posteriores deu-se início ao planejamento da I Confraternização das Mocidades Espíritas do Movimento da Fraternidade (COMEMOFRA), que ocorreu nos dias 13, 14 e 15 de abril de 1990, na CIFRATER. Seu tema foi “O Jovem e o Movimento da Fraternidade” e sua organização foi feita por jovens da IV RF, com exceção da comissão de alimentação que ficou sob responsabilidade da V RF. 43 jovens participaram desta primeira confraternização, vindos da II RF, III RF, IV RF e V RF.

Depois da I COMEMOFRA o movimento jovem fortaleceu-se um pouco mais. Iniciou-se uma campanha maior de divulgação junto aos Coordenadores Regionais numa tentativa de envolver maior número de jovens no trabalho. Um dos meios de divulgação foi a criação do Boletim Informativo COMEMOFRA, um informativo periódico da CME enviado a todas as mocidades do MOFRA.

Na II COMEMOFRA, que ocorreu no período de carnaval de 1991, obteve-se uma maior participação das Regiões, com a presença de cerca de 70 jovens de seis RF. O tema do encontro foi “Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho e o Movimento da Fraternidade”. Conseguiu-se também uma maior descentralização na organização deste encontro: a II RF ficou responsável pelas comissões de estudo e secretaria, a III RF pela comissão de alimentação, a IV RF pelas comissões de apoio médico-espiritual e integrarte e a V RF pela comissão de limpeza.

Ao final desta confraternização realizou-se uma plenária com os participantes. Nesta foi apresentada a estrutura que estava sendo montada pela CME, que consistia numa estrutura regional de apoio, com a implementação da figura do Representante Regional de Mocidades (RRM). Este é uma extensão da CME na Região Fraterna, com o objetivo de trabalhar também ao lado do Coordenador Regional. Desta forma a I, II, III, IV, V e VI RF saíram do encontro com o seu RRM. A partir daí ficou muito mais fácil e dinâmico o trabalho dentro das Regiões. Cada Representante de Região Fraterna montou uma equipe e elaborou propostas de trabalho, dentre as quais estavam a realização de encontros regionais de mocidade, a Prévia da COMEMOFRA, visitas às mocidades da Região, etc.

Segundo o planejamento de cada região foram então realizados no ano de 1991 vários encontros regionais de mocidade, promovidos pela equipe de trabalho montada pelo Representante Regional: um na I RF, um na II RF, dois na III RF, um na IV RF e um na V RF. Realizou-se também um encontro de mocidades na VII RF promovido pela CME. No segundo semestre deste ano todas as Regiões realizaram a Prévia da III COMEMOFRA, utilizando o material elaborado pelas comissões de estudo e integrarte. Na VIII RF, que não havia participado até então, a prévia foi aplicada pela CME.

Neste ano teve início também o RALAMOFRA, uma proposta de trabalho na CIFRATER, organizada pela CME, com o objetivo de levar jovens à Cidade para ajudá-la com sua força de trabalho.
Além dos encontros regionais de mocidade, da Prévia e do RALAMOFRA ocorreu também um aumento da participação dos jovens nas atividades do Movimento em geral, o que significou uma maior aproximação, integração e sintonia destes com a obra.

A III COMEMOFRA realizou-se no carnaval de 1992. O tema do encontro foi “Evangelho, Árvore da Vida”, baseado na mensagem “Carta aos Fraternistas”, transmitida em 1988 pelo espírito Scheilla. A estrutura montada com os RRM, trabalhando em consonância com a coordenação geral do evento, mesmo com as dificuldades de início, apresentou seus resultados logo no primeiro ano. Participaram do encontro cerca de 90 jovens, com representantes de todas as Regiões do Movimento da Fraternidade. Participaram da organização do encontro a I, II, III, IV e V Regiões, havendo uma maior divisão dos trabalhos e aproximação das mesmas. Na plenária deste encontro foi lançada a idéia da realização da Pós-COMEMOFRA, encontro regional com o objetivo de transmitir o estudo da COMEMOFRA aos participantes das Regiões e fortalecer a união entre os mesmos.

Desde 1992, portanto, há três encontros anuais destinados aos jovens, com finalidades e períodos específicos. A COMEMOFRA realizada no carnaval e na CIFRATER. Ela tem como objetivos: integrar os participantes, por meio do estudo, à realidade política, social, filosófica e espiritual do Movimento da Fraternidade, estudar temas de interesse geral e criar um espaço de união dos jovens das Regiões, com a discussão de propostas de trabalho. Os outros dois encontros são a PRÉVIA, que antecede a COMEMOFRA e tem também como intuito o preparo dos participantes e organizadores e a PÓS-COMEMOFRA, assumindo estes encontros grande importância pela possibilidade de reunir todas as mocidades da Região.

A IV COMEMOFRA, em 1993, teve como tema “Paulo de Tarso e o Movimento da Fraternidade”. Neste ano, já contando com um maior amadurecimento de sua estrutura e maior número de trabalhadores, foi realizado em setembro o I Festival de Músicas e Oficinas do Movimento da Fraternidade, na Casa Espírita André Luiz em Belo Horizonte. Este encontro teve dois objetivos principais, a integração artística através de um festival de músicas espíritas compostas pelos participantes e, paralelamente, o oferecimento de oficinas específicas, que atendessem às diversas áreas de um Grupo de Fraternidade. Tivemos então oficinas de Oratória, Harmonia, Coordenação de Mocidades, Evangelização Infantil com enfoque sobre meninos de rua, Teatro, Técnicas de Integração e por fim de Estudos. Foram inscritas mais de 20 músicas e participaram ao todo perto de 200 pessoas destes primeiro encontro.

Em 1994 a V Confraternização teve como tema “O Jovem Espírita, Cidadão do Mundo”, quando refletimos sobre o papel social da Doutrina Espírita.

Já reunindo cinco anos de experiência a VI COMEMOFRA, ocorrida em 1995, foi reformulada. Buscando intensificar a participação dos confraternistas e das Regiões, seu estudo, anteriormente preparado por uma comissão específica, passou a ser responsabilidade conjunta da comissão de estudos do encontro e das Regiões Fraternas. Desta forma foi lançada a pergunta “O que é uma Comunidade Cristã?”, cuja resposta foi encontrada por meio da colaboração de cada jovem e Região presentes. Finalizando o encontro foi redigido um texto definindo a Comunidade Cristã em seus aspectos econômicos, educacionais, de assistência social, culturais, de saúde e de trabalho (disponível na biblioteca da página do Mofra). É a definição dos jovens de um dos pilares filosóficos do Movimento da Fraternidade e da Cidade da Fraternidade, onde, segundo Scheilla, nos propomos a uma nova maneira de viver e a buscar o exemplo social nos moldes das primeiras comunidades cristãs.

Desde então, a estrutura foi crescendo e a necessidade de se atender o público infantil e adolescente se fez mais premente. Assim, em abril de 2005 foi criada a CIJ, Coordenação de Infância à Juventude, em substituição à antiga CME (Coordenação das Mocidades Espíritas). O cargo de RRM foi substituído e desmembrado em outros três: RRI, RRA e RRJ (respectivamente Representante Regional de Infância, Adolescência e Juventude).

Assim, nossa estrutura de trabalhadores pode dizer com muita satisfação que é responsável por auxiliar a educação de futuros trabalhadores não só do Movimento da Fraternidade, mas do Cristo.

  1. Orientar a implantação da Coordenação de Infância à Juventude do Grupo da Fraternidade Espírita – GFE/CIJ, no tocante à estrutura organizacional (dentro da EDU dos grupos deverá haver um colegiado denominado Coordenação de Infância à Juventude (CIJ) que será formado por um representante de cada área – a saber: infância, adolescência e juventude – e/ou um coordenador geral), buscando unificação das ações nos diferentes Grupos da Fraternidade Espírita;
  2. Manter, em consonância com o Ensino da Doutrina Espírita, a filosofia do Movimento da Fraternidade na infância, adolescência e juventude, de acordo com o
    disposto no artigo 7º do Estatuto Social da OSCAL;
  3. Incentivar a participação da infância, adolescência e juventude nos encontros regionais e nacionais do Movimento da Fraternidade, abreviadamente MOFRA.
  4. Incentivar a criação e auxiliar no bom desenvolvimento da evangelização infanto- juvenil nos GFEs

De acordo com o Regimento Interno da CIJ, as atribuições do RR se dividem em:

  • Representar a CIJ nas respectivas Regiões Fraternas;
  • Dar suporte às Coordenações de Infância à Juventude dos Grupos da Fraternidade Espírita – GFE/CIJ;
  • Promover a integração das CIJ/GFE nas RFs;
  • Divulgar amplamente as ações da CIJ, nas respectivas RFs;
  • Implementar os programas propostos pela CIJ;
  • Indicar os coordenadores das comissões da Comemofra sob responsabilidade de sua RF e escolher em conjunto com ele os outros membros, cuidando cada RR das comissões de sua respectiva área;
  • Atuar, junto ao Coordenador Regional, nos eventos, projetos e demais atividades do MOFRA em sua região fraterna;
  • Exercer as demais atribuições constantes do Regimento Interno da COMEMOFRA

Em suma, o RR é um facilitador do trabalho, divulgando as propostas do Movimento da Fraternidade dentro das tarefas de mocidade, pré-mocidade e evangelização infantil em sua região. Ele deve criar condições para que os jovens, adolescentes e crianças de cada GFE possam conhecer o trabalho realizado pela Oscal e suas demais equipes, em especial a CIJ, facilitando sua aproximação com estas áreas de trabalho e viabilizando a implantação dos
programas por elas propostos.

Não devemos, no entanto, confundir essas atribuições com aquelas designadas ao Coordenador Regional. Na realidade, o colegiado formado pelos Representantes Regionais da CIJ deve fazer parte da estrutura da Coordenação Regional, compondo o quadro de trabalhadores e auxiliando em quaisquer outras tarefas que a região necessite a qualquer momento. A equipe na região fraterna, portanto deve ser uma só.

Promovendo ao mesmo tempo um trabalho de agente multiplicador e de agente educador, os Representantes Regionais têm papel essencial na organização e desenvolvimento dos trabalhos, uma vez que constituem o elo entre as instâncias nacionais (CIJ/OSCAL) e as locais (evangelização infantil, pré- mocidade e mocidade), onde está a maior parte dos fraternistas e, dessa forma, a base do trabalho.

A sigla significa: COnfraternização das Mocidades Espíritas do MOvimento da FRAternidade.

É uma confraternização (por isso que você é chamado de confraternista!), reunindo jovens e adolescentes de Mocidades e Pré-mocidades Espíritas de Grupos de todo o país que participam do Movimento da Fraternidade (MOFRA), além das crianças da Cidade da Fraternidade. Esse encontro sempre ocorre no feriado de Carnaval, na Cidade da Fraternidade, e tem por objetivos:

  • Propiciar a confraternização de jovens, adolescentes e crianças do MOFRA;
  • Integrar o jovem ao MOFRA e ao Movimento Espírita;
  • Difundir a Filosofia e os objetivos do MOFRA e da CIFRATER;Divulgar a Doutrina Espírita;
  • Sensibilizar o jovem para estudar e viver segundo os ensinamentos Cristãos;
  • Fortalecer as mocidades Espíritas do MOFRA;
  • Propiciar o contato com a CIFRATER, conhecendo-a ou visitando-a.

É muito gratificante para as pessoas que participaram das Comemofras anteriores – seja como confraternistas ou organizadores – constatar as várias contribuições da COMEMOFRA para o Movimento da Fraternidade ao longo destes anos. Com o passar do tempo, vimos aumentar o número de jovens integrados nas atividades do MOFRA e esse objetivo precisa ser sempre perseguido para favorecermos a continuidade do ideal que nos irmana.: “Iniciar no mundo um novo sistema de viver”, como nos diz o espírito Scheilla na mensagem de 1960 via médium Américo Rafael Raniere. Reviver o Cristianismo Primitivo tal como nos ensinou Jesus e seus discípulos.

Para que o estudo do tema não fique restrito aos confraternistas da COMEMOFRA, existe a Pós-COMEMOFRA, evento realizado em todas as Regiões Fraternas, que dá a você – confraternista – a oportunidade de levar aos amigos de sua Região Fraterna as experiências vivenciadas (muitas por sinal!) na Cidade da Fraternidade.

Quem coordena tudo isso?

Vamos por partes: analise o organograma abaixo e identifique a CIJ – Coordenação de Infância à Juventude, coordenação responsável pela organização da COMEMOFRA.

Assembléia Geral da OSCAL

Conselho de Representação da Assembléia

Conselho de Administração

Coordenação Geral

Coordenação da Ação Espírita (CAE)

Coordenação de Infância a Juventude (CIJ)

Coordenação Geral da Comemofra